Doenças comuns na primavera entre bebês e crianças

Os especialistas entrevistados destacam os principais problemas que podem aparecer nesta época do ano, seus respectivos sintomas e a melhor forma de prevenção

A primavera é conhecida como o período das flores, que deixam as cidades mais vivas e coloridas. Só que, infelizmente, essa estação, que faz a transição do inverno para o verão, não traz apenas coisas boas. Como o tempo fica mais seco, o índice de umidade aumenta, além de ter uma maior incidência de bactérias e ácaros no ar, principalmente por causa de animais polinizadores.

Imagem meramente ilustrativa (Adobe Stock)

Diante de tudo isso, algumas doenças se tornam mais comuns nessa época do ano entre bebês e crianças. Mas, fiquem calmos, papais e mamães! Conversamos com a pediatra Ingrid Mosquin e Gustavo Canedo, médico generalista, para tirar todas as dúvidas que vocês possam ter sobre o assunto.  

Quais são as principais doenças que surgem durante a primavera?

De acordo com o Dr. Canedo há dois quadros que são mais comuns nesta época do ano entre crianças: os respiratórios alérgicos, como rinite, síndrome do bebê chiador e asma (nos pequenos com mais de 2 anos ); e os quadros de doenças exantemáticas, que são as que promovem manifestações na pele, como catapora, sarampo, rubéola, entre outras.

Como diferenciar uma coisa da outra? A Dra. Mosquin afirma: “é por meio do aparecimento de febre e manchinhas no corpo do bebê que é possível identificar o tipo de vírus que foi contraído”.

No caso dos quadros alérgicos, o Dr. Canedo conta que há várias formas de prevenção à doença. “É possível controlar os quadros crônicos com cuidados com o ambiente. A casa deve estar sempre bem arejada e com incidência do sol, além de ser importante evitar mofos em tapetes, carpetes e cortinas. O colchão e o travesseiro também merecem atenção. O ideal é trocar no período adequado, higienizar e usar capa”, orienta

Já para a prevenção das doenças exantemáticas, o médico generalista destaca que “a etiqueta da tosse, a boa higiene das mãos e a identificação precoce dos quadros são importantes para o tratamento e evitam o contágio”.

Em concordância, a pediatra diz que é fundamental que os papais e mamães sempre mantenham as mãos higienizadas para evitar o possível contágio dos pequenos. Além disso, a Dra. Mosquin ressalta que é importante evitar locais fechados e com muita gente, porque esses espaços são ideias para a proliferação dos vírus.

Atenção extra

Os especialistas alertam também para outros problemas que podem surgir com a chegada da estação, como picada de aranhas e escorpiões e até mesmo afogamento, que se torna comum devido as temperaturas mais elevadas, se comparadas com o inverno. A dica para esses casos é conhecer o local em que a criança está brincando e os lugares que ela frequenta. E, claro, papais e mamães: mantenham sempre a supervisão.

CONHEÇA OS ESPECIALISTAS:

Ingrid Mosquin é Graduada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Campus Sorocaba, e residente em Pediatria pela mesma universidade.

Gustavo Canedo é formado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus Botucatu e atualmente está realizando especialização em Saúde da Família pelo Programa Mais Médicos.

Compartilhe & comente

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp